quarta-feira, 31 de maio de 2017

CAPITÃO CUECAS - A Opinião do Filme Bambino

Título: Capitão Cuecas
Realizador: David Soren
Lançamento: 01 de junho de 2017 — ESTREIA AMANHÃ
Sinopse & Trailer: Vê em baixo

  Capitão Cuecas é o filme com que estreamos a zona bambina do blogue, o espaço dedicado aos mais pequenos.


  Opinião Bambina — Capitão Cuecas é virado para os rapazes e é outro título que os adultos não gostam. O filme está bem feito e dá para rir muitas vezes na companhia do George e do Harold. Com estes 2 amigos, qualquer dia chato na escola arrisca-se a ficar um circo de diversões, o local de crimes e ainda das artimanhas maléficas de um Doutor maluco!

  Opinião para adultos — Veio dos estúdios que trouxeram ‘Shrek’, ‘O Panda do Kung Fu’ e ‘Madagáscar’ e, nesta perspetiva, deitam tudo a perder. Tanto o "Shrek", como "Madagáscar" e até "O Panda do Kong Fu" conseguiram cativar o público infantil e o adulto. O Capitão Cuecas não é tão abrangente, aborrecendo os adultos e as meninas mais velhas. Para quem mantém o seu humor jovial, o filme tem a sua graça. Pessoalmente, ri-me algumas vezes, mas os pais à minha volta não diriam o mesmo.

terça-feira, 30 de maio de 2017

PIRATAS DAS CARAÍBAS: Homens MORTOS não contam histórias — A Opinião do Filme

Título: Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não contam histórias
Realizador: Joachim Rønning, Espen Sandberg
Lançamento: 25 de maio de 2017
Sinopse & Trailer: Vê em baixo

  Piratas das Caraíbas foi exatamente o que esperava. Muita ação, algum mistério e piratas. Gostei. Como já tinha visto todos os filmes anteriores, tive afeto logo no inicio pela maioria das personagens. Este deve ser o último da Saga, uma decisão árdua, mas sábia, porque os enredos começam a ficar muito parecidos de filme para filme.

  Os efeitos não chegam a ser ímpares, mas satisfazem. Contamos com o espírito incompreensível de Jack Sparrow (Johnny Depp) e, como não podia deixar de ser, do assombroso Capitão Barbossa (Geoffrey Rush), de longe a minha personagem favorita.


  Homens mortos não contam histórias não é o meu preferido da quintologia. A história pareceu-me mais forçada e menos segura. Independentemente disso, é um filme que nos faz rir diversas vezes, com a qualidade que não podia deixar de ter e com uma morte, que é a que mais me custou de todos os filmes d'OS PIRATAS DAS CARAÍBAS.

 "Com ameaças de tão grande porte nos volumes anteriores, os mortos perdem parte do seu brio."

Sinopse & Trailer

Esta emocionante aventura encontra o Capitão Jack Sparrow numa maré de azar. Os ventos da má sorte começam a soprar ainda com mais força quando os fantasmas dos marinheiros mortos, liderados pelo terrível Capitão Salazar, escapam do Triângulo do Diabo, empenhados em matar todos os piratas - especialmente Jack. A única esperança de sobrevivência de Jack Sparrow, encontra-se no Tridente de Poseidon, mas, para o encontrar, tem de criar uma aliança com Carina Smyth, uma brilhante e bonita astrónoma e Henry, um jovem marinheiro da Marinha Real Britânica. Ao leme do Dying Gull, o seu (muito) pequeno e humilde navio, Jack Sparrow procura não só reverter a sua maré de azar, mas também salvar a própria vida do "pior" inimigo que já enfrentou.


video







sexta-feira, 26 de maio de 2017

Livros de Fim de Semana

Cólera de Denis Marquet e Os Segredos que o Nosso Corpo Revela do conceituado Alexandre Monteiro são a minha companhia dos próximos dias. 

Leio dois escritores Europeus, um Francês e um Português. E Vocês? Que é que tu lês desta vez? 



quinta-feira, 25 de maio de 2017

Quantas páginas lês numa hora?

É um facto que cada mente tem o seu raciocínio, embora os resultados variem pouco:
Lemos até uma média de 150 palavras por hora.

Pelo menos, era assim que pensava, até ouvir falar de uma espécie rara e crescente de leitores dinâmicos que conseguem ler 900 páginas por hora. Fazendo as contas, são 4 segundos por página! Citando um destes leitores:
“A minha leitura é diferente da tradicional. É uma leitura horizontal, em que a pessoa pega palavra por palavra, em vez de letra por letra. A minha leitura é na vertical, é uma visão só, mais ampla da página. Foi preciso muito treino! Eu lia todos os dias, diversos livros”.

Não discordo que este método seja possível e eficaz, mas estou relutante a outro ponto: Como é que podemos ler 900 páginas num minuto, mesmo com muita prática e lendo na vertical, se o objetivo dos livros é por-nos a pensar e a refletir? Não se pensa em 1 segundo!


  Fiquei curioso... Eu leio uma média de 120 páginas por hora. Páro diversas vezes, penso e reflito. Esse é o meu significado de livro. E o vosso? Quanto lês numa hora? 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

REI ARTHUR "A LENDA DA ESPADA" - A Opinião do Filme

Título: Rei Arthur -  A Lenda da Espada
Realizador: Guy Ritchie
Sinopse: Ver aqui
Lançamento: 18 de maio de 2017
Trailer: Vê em baixo

  Não esperava muito deste filme. Julguei-o injustamente, ao associá-lo a tantos outros filmes e livros iguais sobre o Rei Arthur e a Excalibur (a espada). A Lenda da Espada revelou-se como uma lufada de ar fresco. Os cenários são fantásticos e a banda sonora é memorável, mas há partes em que se aproxima do monótono.






  Foi uma produção com um grande orçamento e os atores, de um modo geral, representaram bem. Todavia, fiquei em dúvida com uma personagem: A Maga que nos acompanha até ao fim apresenta-se de uma forma natural, mas muitas das suas ações parecem forçadas.



  As questões morais que o filme aborda são interessantes. O que vem primeiro: A família OU o poder? Optarias pelo amor infinito num espaço finito de tempo OU pela magia da criação, na infinidade da existência?

  Pessoalmente, gostei do filme. É certo que não será galardoado pela originalidade do enredo (mesmo com surpresas envolvidas...), mas quem sabe se os cenários. efeitos e decorações não terão? Recomendo de idade mínima os 8 anos, uma vez que tem alguma violência, pode suscitar alguma confusão, tem partes demasiado passivas e outras com grande potencial e pouco desenvolvidas.




terça-feira, 23 de maio de 2017

TRANSFORMERS - O último Cavaleiro


Quando tudo parece perdido,
Um punhado de almas corajosas pode salvar TUDO o que conhecemos!


Uma das filosofias do filme Transformers, a estrear a 22 de junho. Já podes ver o Trailer!

video

sábado, 20 de maio de 2017

CORAÇÕES NA ESCURIDÃO - Opinião do Livro em Passatempo

Título: Corações na Escuridão
Autor: Laura Kaye
Sinopse: Vê em baixo
Lançamento: setembro de 2016
Tradutor: Maria João Dornelas
Passatempo: Aqui


  Acabei o Corações na escuridão. É um livro de fácil e interessante leitura. Está escrito de forma a haver sempre movimento, embora se passe quase tudo num elevador.


Dois estranhos...

 Makenna James acha que o seu dia não pode ficar pior, até que, no edifício do seu escritório, corre para apanhar o elevador. Enquanto se distrai para atender uma chamada, o elevador pára e fica às escuras. Makenna encontra-se, assim, na companhia de um estranho do qual apenas vislumbrou a tatuagem de um dragão numa das suas mãos antes das luzes se apagarem.

 Caden Grayson diverte-se com esta linda ruiva tão atrapalhada com a sua mala e o telemóvel. Mas logo a diversão acaba, quando o elevador se imobiliza e ele, apesar dos seus piercings, tatuagens e cicatrizes, entra em pânico. Agora está preso dentro do seu pior pesadelo… durante quatro horas. Somente abrindo-se com Makenna é que Caden poderá vencer os seus demónios, da mesma foram que Makenna consegue ultrapassar o seu terror do desconhecido. Aos poucos e apesar da escuridão, ambos acabam por descobrir o muito que têm em comum. Na escuridão, a atração e o desejo crescem e os dois não resistem a envolver-se com paixão. Perguntam-se:


 Irão sentir o mesmo quando as luzes voltarem? E quando forem salvos do elevador que os aprisiona... O que farão?

 A perspectiva dela e dele da mesma narrativa estão engraçadas e habilmente conseguidas. 
 O Caden é explorado com brio e ficamos a conhecê-lo bem. A vida da MJ não foi tão definida. Fica a faltar informação quando se faz uma analogia.... O que me leva ao cerne da questão: Será ela a temática do próximo volume?


 Uma história que nos faz simpatizar com um homem pouco comum. Um romance quente, muito quente, onde se sente simpatia, doçura e necessidade de chegar ao fim. Quanto à capa, acho que se enquadra bem na obra, destacando a lua no rodapé, assim como o coração estilizado no início dos capítulos. Parabéns à editora O castor de papel, fez uma edição sofisticada e atraente. 


Não posso deixar de frisar um pormenor, uma pequena característica raríssima e muito bem empregue. Coloquem o livro à vossa frente e abram-no na segunda folha. Verão, na parte debaixo da página esquerda, uma generosa referência à Tradutora. O escritor é responsável pela obra na sua língua, mas a sua qualidade é delegada nos tradutores, quando queremos passá-la para outros idiomas. Há que reconhecer o seu mérito. Nota-se o cuidado da tradução do Corações na Escuridão.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

  Vemos os escritores mundiais com olhos distantes e adeusados.  


Não sabemos a jornada que muitos deles percorreram para serem quem são. William P. Young, autor do sucesso "A Cabana", e a J. K. Rowling são exemplos extremamente atuais de duas vidas atribuladas e humildes. 


  No caso da J. K. Rowling, a qual dispensa grandes apresentações. Podem descobrir o seu percurso íngreme neste video. Percam um minuto a vê-lo e ganhem a experiência de uma vida.

  Para descobrirem mais sobre William P. Young, é só entrarem nesta página.

São duas entidades merecedoras de nome. 

video
J. K. Rowling - A experiência de uma vida

quinta-feira, 18 de maio de 2017

AMARELINHO - A Opinião do Filme

Título: Amarelinho
Realizador: Christian De Vita
Sinopse: Ver aqui
Lançamento: 19 de maio de 2017 - Estreia HOJE!
Trailer: aqui


  Amarelinho é um filme infantil com moral e cultura, ao mesmo tempo que se passa num mundo sonhado, simples e bonito. Está no limiar entre só se adequar a crianças pequenas e abranger miúdos e graúdos, como se costuma dizer. 


  O Enredo gira à volta do Amarelinho, um pequeno pássaro não migratório que perdeu os pais e é criado num ambiente restrito pela Joaninha. A certa altura, conhece uma família de pássaros que se prepara para migrar para Sul, onde vem a descobrir que a mentira tem pernas curtas e o amor asas certas.


  Fala-se, de uma maneira divertida, do Norte glaciar e do Sul escaldante. Ainda contamos com uma Paris bonita e a morte como ciclo natural da vida.  

  Em poucas palavras, Amarelinho é uma história com caráter que passa com brio princípios como: 

Honestidade, Paciência, Determinação e Ousadia.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

CONSPIRAÇÃO TERRORISTA - A Opinião do Filme

Título: Conspiração Terrorista
Realizador: Michael Apted
Sinopse: Ver aqui
Lançamento: 19 de maio de 2017 - Estreia Amanhã!
Trailer: aqui


  Conspiração Terrorista é um bom filme de ação, com um enredo seguro, cativante e previsível. Esperava mais do final, que deixou um gostinho para uma sequela. 


  Começa logo com uma reviravolta, a única verdadeiramente imprevisível. Ganha pontos pelos pormenores que seguem a ação. Embora o suspense seja pouco, não o considero um filme 100% banal. As personagens estão bem construídas e são mortais (conceito que nem sempre está presente em filmes deste género - quando um homem mata 200 assassinos, um por um, e ainda vai passear o cão - John Wick 2).


  Podia ter um desfecho diferente. A parte final aproxima o filme do trivial e mediano que corrompe a maioria dos filmes do tema. Tem críticas e conselhos sociais, como o perigo que os vírus e derivados representam à sociedade e o quanto nós não fazemos para o contrariar. Outro conceito é a paz... como é fácil acabar com ela!

  É um filme que não precisa de limite de idade. O elenco fez um bom trabalho, com especial destaque a Noomi Rapace, a atriz principal.
  Não é, garantidamente, um dos filmes do ano, mas adequa-se a uma tarde com amigos e até mesmo à noite, já que não tem tempos mortos onde possamos fechar os olhos.



segunda-feira, 15 de maio de 2017

Flâneur e João Tordo são duas entidades singulares.

  Na passada quinta-feira, estive presente num dos jantares da livraria Flâneur (SIM, livros e comida, ainda por cima de um Chefe Italiano! Foi fenomenal.). Fui, porque tinha o desejo de conhecer este espaço exclusivo. Saí satisfeito e ainda tive a oportunidade de conhecer o escritor João Tordo, que apresentou o seu último livro: O Deslumbre de Cecilia Fluss.

Um dos cantinhos acolhedores da Flâneur


  Nessa noite, por ocasião do trabalho, saí da Flâneur sem livro e sem a devida dedicatória, mas com a promessa de, num próximo encontro, os trazer. O escritor transparece humildade, humanidade e afeto. Conseguiu gerar um ambiente propício a risadas, reflexões e introspeções. De todos os escritores que conheci até hoje, consegue ser um dos que mais me surpreendeu pela positiva. Contem com a opinião de uma das suas obras para este ano!

Durante o evento, pude ler as primeiras páginas do 1º livro da sua trilogia:
"Uma escrita natural e acessível que aborda temas como a melancolia, a solidão e o silêncio duma forma cativante",
pensei.

Já conheciam a Flâneur? E o escritor João Tordo?

domingo, 14 de maio de 2017

A MINHA LIVRARIA PREFERIDA - Votação

 Este domingo, temos um desafio diferente. Hoje, votamos na que nós consideramos a melhor livraria do país. Podem fazer o mesmo, clicando na imagem abaixo.
 Para além de darmos o apoio à livraria por que nutrimos maior afeto, também é o meio ideal de conhecermos todas as outras livrarias próximas de nós, que o Quiz nos apresenta.

🤔 Qual escolheram?



sexta-feira, 12 de maio de 2017

A ÚLTIMA ESTRELA - A Opinião do livro final da trilogia "5ª Vaga"

Título: A Última Estrela (3º volume da trilogia 5ª Vaga)
Autor: Rick Yancey
Sinopse: Vê aqui
Lançamento: fevereiro de 2017
Editora: Editorial Presença
Tradutor: Miguel Romeira

  Depois de ler o volume anterior (podes ver a opinião dele aqui), fiquei com expectativas altas para com A Última Estrela. As primeiras páginas foram cansativas de ler, mas depressa evoluíram para um enredo mais coeso, intenso, pessoal e trágico. Tem uma escrita muito acessível e jovem. A tradução, ao contrário do anterior Mar Infinito, podia estar melhor, principalmente na parte final, em que vemos o cansaço do tradutor, representado por várias e diversas gralhas.

  Foi um livro que, apesar de tudo, me ocupou de forma eficaz os tempos soltos do meu dia a dia. Para quem conhece este mundo (pelo filme ou através dos volumes prévios), lemos este livro com uma forte ligação com as personagens. Não é fundamental ler o 1º livro para perceber A Última Estrela, mas é fundamental ler o 2º, O Mar Infinito.

  A história está bem conseguida, puxando pela nossa cabeça e emoção até ao fim. Recomendo, principalmente, a leitores novos, uma vez que o livro é escrito na 1ª pessoa, sob a voz de algumas personagens, todas jovens, o que conduz a uma escrita impessoal e com um pouco de calão (inofensivo).

A diferença entre as crianças dos adultos é a sua impulsividade e a sua sinceridade. Os adultos pensam, refletem e ordenam. As crianças sentem, fazem e acatam. Foi por isso que os Outros escolheram os mais novos. Foi por isso que todos perdemos os nossos pais. 






quinta-feira, 11 de maio de 2017

PASSATEMPO - Corações na Escuridão

  Em parceria com O Castor de Papel, o nosso blogue inicia um novo passatempo. A sorteio está o exemplar "Corações na Escuridão", uma história envolvente, diferente, doce e preenchida de amor



Dois estranhos...

Makenna James acha que o seu dia não pode ficar pior, até que, no edifício do seu escritório, corre para apanhar o elevador. Enquanto se distrai para atender uma chamada, o elevador pára e fica às escuras. Makenna encontra-se, assimna companhia de um estranho do qual apenas vislumbrou a tatuagem de um dragão numa das suas mãos antes das luzes se apagarem.

Quatro horas...

Caden Grayson diverte-se com esta linda ruiva tão atrapalhada com a sua mala e o telemóvel. Mas logo a diversão acaba, quando o elevador se imobiliza e ele, apesar dos seus piercings, tatuagens e cicatrizes, entra em pânico. Agora está preso dentro do seu pior pesadelodurante quatro horas. Somente abrindo-se com Makenna é que Caden poderá vencer os seus demónios, da mesma foram que Makenna consegue ultrapassar o seu terror do desconhecido. Aos poucos e apesar da escuridão, ambos acabam por descobrir o muito que têm em comum. Na escuridão, a atração e o desejo crescem e os dois não resistem a envolver-se com paixão. Perguntam-se:

 Irão sentir o mesmo quando as luzes voltarem? E quando forem salvos do elevador que os aprisiona... O que farão?


  Para concorreres basta:

  1. Gostares da nossa página de facebook;
  2. Gostares da página de facebook do Castor de Papel;
  3. Partilhares o passatempo (no facebook ou no google+, publicamente);
  4. Identificares três amigos que também queiram o livro num comentário aqui ou no facebook.

  Funciona como uma entrada extra:

Não te esqueças de indicar nos comentários, aqui ou na publicação do facebook, o nome em que fazes a participação.



O passatempo termina às 23H59 do dia 20 de maio (sábado) e é válido para residentes em Portugal. O sorteio é feito no final do mês.
Boa Sorte😉!


Com a colaboração de
Castor de Papel

terça-feira, 9 de maio de 2017

VIRAL - A Opinião do Filme

Título: Viral
Realizador: Henry Joost e Ariel Schulman
Sinopse: Ver aqui
Lançamento: 11 de maio de 2017 - Estreia Quinta!
Trailer: aqui

  VIRAL passa-se um universo ficcional, onde uma epidemia se espalha pelos Estados Unidos. Apelidada de "Verme da Gripe", é um cenário cheio de horror, terror e suspense. Podia ter uma qualidade ligeiramente superior, tanto de efeitos visuais como de factos.

Não precisamos de imaginar Pandemias, quando a Mãe Natureza trata de as arranjar no mundo real. Para o caso, toda a experiência é pouco. 
  Congratulo o filme por frisar que, quando se trata de um vírus, bactéria ou parasita, qualquer desleixo pode ser fatal. Uma simples máscara pode delinear a barreira da vida e da morte.
  Por outro lado, este é um dos temas em que, como crítico, estou extremamente há vontade. Faltam informações, uma vez que uma doença fictícia deve ser baseada em factos ou, pelo menos, possuir uma base sólida de existência. 

  Por isto mesmo, não aconselho o filme a espectadores que gostem de factos verídicos e cenários que se aproximem da realidade.
  No entanto, é a forma ideal para revermos as regras de como reagir no caso de uma epidemia, uma ameaça real no nosso quotidiano, e é indicado para os que gostam de suspense mergulhado ao de leve em terror.
  Ainda não é oficial a idade mínima que os cinemas nacionais vão colocar para se assistir a este filme. Só não recomendo a crianças que se sintam indispostas na presença de sangue e que não gostem de terror.  

domingo, 7 de maio de 2017

sexta-feira, 5 de maio de 2017

O que PODES fazer para CORTAR com as horas gastas a fazer "POUCO mais do que nada"

 Dando continuação ao artigo "Com o tempo que gastamos com o telemóvel, poderíamos ler mais de 200 livros por ano!", apresento os 5 conselhos para os prisioneiros das horas excessivas a ver televisão, do que podes fazer para CORTAR com as horas gastas a fazer "pouco mais do que nada".



  1º Nada de desistir antes de começar! Como vimos no post anterior, podíamos ler uma média superior a 1000 livros por ano, se deixássemos de lado a televisão e a internet. Não é impossível ou difícil ler pelo menos um livro por mês.

  2º Encontrar tempo para a leitura. Pessoalmente, leio quase todos os dias, aproveitando o tempo que ando a pé para os compromissos diários para o fazer. Perder uma hora a andar a pé por dia? Nem pensar! Aproveito-a a ler, enquanto caminho. Só é preciso pensar nas nossas sobras diárias de tempo. Não nos iludamos! Todos temos estas sobras.

Sobras de Leitura
A leitura não escolhe sítios. O próprio livro é o sítio, o mundo ideal! 


  3º Deixar os livros à mão. É um facto que ter livros nos locais mais acessíveis da casa nos induz a ler. Também podem ir mais longe, caso sejam fãs do telemóvel, e descarregar livros pelo Wattpad, Kindle da Amazon, Wook, etc. Tê-los connosco é importantíssimo e complementa o conselho anterior!


  4º Utilizar vários meios de leitura. Não precisamos de ficar pela leitura em casa. Há tantos sítios bons para ler. Os parques naturais, as lagoas e os cenários à beira mar são opções! E não nos podemos esquecer das bibliotecas, dos cafés e até das livrarias que estão abertas à leitura. 
Qualquer lugar e qualquer hora são ideais para se ler um livro.

  5º Descobre o teu estilo. O truque não é seguir modas. Nem tudo o que é bom para mim será bom para ti e com os livros este é o problema. Temos um mercado de livros restrito e o público a ser influenciado pelas mesmas cadeias editoriais. Procurar é o segredo. Seguir os blogues e as editoras é ótimo para estarmos a par das novidades e/ou de algum título que possa surgir do nosso interesse, mas o maior truque é procurar nas zonas  mais escuras das livrarias, aquela zona para onde vão todos os livros "pouco falados" que têm muito para nos dizer.


Antevisão do próximo artigo: "Leitura é um Desporto que derrota o McDonald's".


quinta-feira, 4 de maio de 2017

Z - A CIDADE PERDIDA - A Opinião do Filme

Título: Z - A Cidade Perdida
Realizador: James Gray
Sinopse: Ver aqui
Lançamento: 03 de maio de 2017 - Estreou Ontem!
Trailer: aqui

  Z - A Cidade Perdida é um filme comprido, com cenários e adereços fantásticos, um elenco notável e é uma ótima forma de aprendermos mais um pouco de história. Tem muitas referências a Portugal, ao Brasil e à Língua Portuguesa. É um filme demasiado comprida.

Nina Fawcett

  Este filme é baseado na história verídica do Explorador Percy Fawcett e na sua busca incessante e até cansativa pelas cidades ancestrais algures entre a Amazónia Brasileira e a Amazónia da Bolívia. Foi um homem que sacrificou a família em prol duma busca que tanto de altruísta tem como de egocêntrico e irresponsável, já que este explorador foi casado com uma mulher à frente da sua época, com um estilo aventureiro e uma apatia pelos costumes fúteis e maçantes do século XIX. 
Ela passou toda a sua vida em casa a educar os seus filhos, enquanto o Fawcett viajava, descobria e vivia.

 
  As tribos índias, os seus costumes, as imagens da floresta Amazónica e das suas predições são de realçar. É um filme especialmente bonito pelo seu contexto histórico, pela sua beleza natural e pelas referências raras para um filme deste calibre acerca da nossa nação.


  O filme é de aproximadamente 2 horas e meia e houve uma altura, mais ou menos no final da segunda hora, em que a plateia começou a perder o ânimo e a ser levada pelo sono.

  Não aconselho, portanto, a irem vê-lo tarde (o ideal é a sessão das 19h). Possui uma beleza invulgar e acredito que não tenha sido de captá-la. Ficamos a conhecer o contexto histórico entre o século dezanove e o século vinte, onde é feita uma grande crítica aos poderosos, uma cambada de ignorantes e sem escrúpulos que regiam Inglaterra. Os atores estão de parabéns e as personagens estão muito bem construídas. Por quem senti mais compaixão foi, sem dúvida alguma, pela mulher do Fawcett, que sacrificou os seus sonhos e aspirações pelo desejo contraditório do marido.